HOME Atualidade
Alberto Costa visitou empresas que estão a produzir equipamentos de proteção individual

“O NOSSO TECIDO EMPRESARIAL CONSEGUIU ENCONTRAR A OPORTUNIDADE DENTRO DA CRISE”

O presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Alberto Costa, visitou, esta segunda-feira, três empresas do concelho que adaptaram a produção em resposta ao novo coronavírus. Atuando em diferentes setores de atividade, Casa dos Reclamos, JVC –Confeções e Prettl Adion, estão agora na linha da frente no que toca à produção de equipamentos de proteção individual.

Visita à Prettl – Santo Tirso

“É, verdadeiramente, de louvar a forma como o nosso tecido empresarial conseguiu encontrar a oportunidade dentro da crise”, sublinhou o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Alberto Costa, depois de ter visitado três unidades industriais do concelho que adaptaram o negócio em resposta à Covid-19.

Visita à Casa dos reclamos – Vila das Aves

“Quero agradecer a todas as empresas do Município que, com esforço e criatividade conseguiram, não só, adaptar a produção de forma a manterem os postos de trabalho, como ainda, ajudam o combate ao novo coronavírus com os materiais de proteção individual que produzem”, sublinhou o autarca em declarações aos jornalistas, na unidade da Prettl Adion, em Santo Tirso, onde conheceu a nova viseira certificada que a marca está a produzir.

Por parte da empresa especialista em componentes plásticos para a indústria automóvel, Pedro Oliveira explicou que o objetivo, no curto prazo, é aumentar este segmento de produção: “Estamos já a exportar para a Alemanha, com o novo molde esperamos estar, dentro em breve, a produzir 15 mil viseiras por semana”. Para além das viseiras de proteção facial a unidade da Prettl Adion, em Santo Tirso, está ainda a produzir ajustadores para os elásticos das máscaras.

Já na JVC – Confeções, em Monte Córdova, Alberto Costa, acompanhou a confeção de máscaras em tecido. “Neste momento, temos 90 por cento da produção direcionada para as máscaras certificadas, estamos também a produzir golas e, brevemente, começaremos com as batas”, referiu o gerente, Sérgio Neto, explicando como, de forma a ultrapassar uma fase difícil, “a empresa conseguiu encontrar na área da saúde uma alternativa”.

A visita iniciou-se na Casa dos Reclamos, em Vila das Aves, atualmente a produzir dispensadores automáticos, divisórias em acrílico e viseiras. “Vendemos cerca de 40 por cento das viseiras que produzimos. A restante produção oferecemos a instituições de saúde, instituições de solidariedade social e forças de segurança de todo o país. A responsabilidade social é para nós um ponto de honra”, enfatizou Miguel Abreu, responsável da empresa dedicada à produção de suportes de publicidade.

Comentários