HOME Atualidade
“Festa Intergeracional” recuperou memórias da Associação Humanitária de Monte Córdova

Decorreu na última sexta-feira, 5 de junho, uma Festa Intergeracional na Associação de Solidariedade Humanitária de Monte Córdova. O certame teve momentos de recordações, emoções e até de alguma nostalgia com a recriação por parte das crianças e seniores da instituição, de toda a história dos 30 anos de existência desta tão nobre casa.

No palco, sob o mote “uma casa especial” e tendo como atores principais as crianças e os idosos, foram recordadas inúmeras ações que foram promovidas para o engrandecimento da instituição, tais como a oferta da primeira ambulância, por parte dos emigrantes na Alemanha, os grandiosos cortejos e leilões de angariação de fundos, a construção do edifício, a provas de atletismo, o voluntariado, a inauguração do edifício, entre outros saudosos momentos marcantes, que fazem parte da história da Associação Humanitária e que ainda estão bem patentes na memória de quem os viveu.

Mas não foi só de recordações que se fez esta iniciativa. A grande moldura humana presente também teve oportunidade de apreciar as vivências atuais e viu ser feita uma singela homenagem aos dois finalistas do Jardim de infância, o Afonso e o Gustavo que partem agora para uma nova etapa do seu percurso educativo.

Outro momento especial foi a apresentação do Hino da instituição, composo pela Equipa Técnica, Educadoras, Getontológa e Assistente Social, e que foi entoado por todos. Houve ainda um serviço de bar com deliciosos petiscos, onde se destacou o tradicional porco no espeto, dos cordovenses Os Amigos das Porcas.

Entre as muitas pessoas nesta festa, destaque para as presenças de Alberto Costa, edil de Santo Tirso acompanhado pelo vereador da ação social José Pedro Machado e Andreia Correia, autarca de Monte Córdova.

Na sua primeira visita oficial à nossa freguesia, enquanto presidente da Câmara Municipal, Alberto Costa começou por dar os parabéns a todos os “colaboradores e direção, pelo meritoso trabalho que realizam, quer a nivel social, familiar e por vezes indo até além do que é a sua missão. O autarca salientou ainda que ” todos devemos apoiar estas casas e a Câmara Municipal está desde à 30 anos sempre presente nesta instituição”. Alberto Costa, deixou ainda um cumprimento especial aos fundadores, pela coragem e perseverança que tiveram.

Por seu turno, a autarca local, Andreia Correia, começou também por deixar os parabéns a Associação “pelo magnífico evento”, louvando o trabalho desenvolvido, pela Direção, funcionários e voluntários. Andreia Correia destacou ainda a importância desta instituição para a freguesia e deixou um apelo para que “todos ajudem a Associação”. A presidente de junta, terminou a sua intervenção reiterando que está sempre atenta às necessidades da Associação e pronta para apoiar dentro das possibilidades da Junta de Freguesia.

No final do evento, o Jornal o Cordovense esteve à conversa com o presidente da Direção da Associação de Solidariedade Humanitária de Monte Córdova, Armindo Silva, que coomeçou por afirmar que o facto de o ano letivo ter teminado com o tema “A nossa casa” serviu de mote para esta iniciativa. O presidente resalvou a importância de recordar os “obreiros desta casa, nomeadamente os emigrantes e as a pessoas das várias localidades da freguesia que tiveram a coragem de iniciar este projeto, com carinho, amor e muito trabalho, nesta instituição que ao longo destes 30 anos tem feito a diferença, pela positiva”. Armindo Silva afirma sentir-se “orgulhoso e um privilegiado por ter estado ligado a esta instituição desde a sua fundação, que já viveu momentos muitos bons e outros menos bons que entretanto foram ultrapassados.”

Questionado sobre os momentos marcantes destes 30 anos de existência, Armindo Silva destacou as provas de atletismo, “que foram qualquer coisa de sensacional, os cortejos que marcavam a freguesia, proporcionando uma rivalidade saudável entre as aldeias, com todos a quererem oferecer mais e a fazer melhor que o seu vizinho, sendo de facto anos muito lindos e que culminaram com a construção desta grande obra que enche de orgulho todos os cordovenses.”

Outra valência determinante na fase embrionária desta grande obra, foi o voluntariado e o presidente reconhece-o lembrando que o mesmo continua patente até aos dias de hoje, embora de ” uma forma mais organizada, com contratro, o que nos permite saber quando e a que horas podemos contar com esses serviços, sendo de facto muito importante para a Instituição.”

No que respeita a novas iniciativas, a Associação está até ao dia 14 de Julho com uma tasquinha no Arraial dos Carvalhais, inserido no programa das Festas de São Bento, e que premite angariar mais alguns fundos para suprimir as necessidades da Associação e também já está agendado o habitual Almoço Solidário que este ano será a 11 de agosto. Entretanto estão a ser vendidas rifas com o preço unitário de 2 euros, tendo como prémios uma viagem à Madeira, um cruzeiro no Rio Douro e uma noitte num hotel, tudo para duas pessoas, cujos vencedores serão conhecidos no dia do Almoço Solidário.

RESENHA HISTÓRICA

A Associação de Solidariedade Humanitária de Monte Córdova, nasceu num contexto muito particular, alicerçada nas características da freguesia que a acolhe a acarinha. Freguesia grande, dispersa,  com difíceis acessos e com uma grande diáspora, sobretudo na Europa. Essa comunidade emigrante, numa primeira fase só na Alemanha, angariou fundos e com a colaboração do autarca de Gross Umstadt, ofereceram à freguesia de Monte Córdova uma Ambulância, acolhida com pompa e circunstancia a 31/07/1988 pelas autoridades locais e por uma multidão da freguesia em júbilo no Santuário de Nossa Senhora da Assunção.A Junta de Freguesia mediante tão preciosa oferta, decide convocar a população que acorre em grande número, no sentido de organizar a sua gestão. A 10 de Outubro de 1988 nasce assim a Associação de Solidariedade Humanitária de Monte Córdova. É criado um grupo de trabalho para fazer representar toda a população da freguesia nesta recente mas promissora coletividade. A aderência é maciça e em poucos meses com centenas de associados e voluntários em grande número que asseguraram o serviço da ambulância, quer em urgências, bem como no transporte de doentes a diversos hospitais e clinicas. O tempo foi passando e a generosidade persistia com mais ofertas das de ambulâncias pelos emigrantes e um abnegado esforço da população da freguesia para fazer crescer a associação. Em 1991 a Câmara Municipal oferece um terreno para a construção da sua sede. Nos anos seguintes, a ambição da Associação cresceu e alargou o seu âmbito. Para além do apoio a doentes e sinistrados no seu transporte, abraçou nos seus objetivos o apoio social.Durante a década de 1990, fruto de apoios de vários organismos públicos e da generalidade da população da freguesia, assistia-se a um rápido crescimento do seu património com a aquisição de terrenos e com a construção de dois edifícios, um destinado á sua sede com quartel para as ambulâncias e bar. O outro, destinado ao novo desígnio social assumido com o apoio a idosos e a crianças.Assim, 2001 assistiu à inauguração da obra social com as valências de Lar, Centro de Dia, Serviço de Apoio Domiciliário e Creche, numa primeira fase ainda com poucas crianças e idosos e somente da freguesia. O ano de 2003 viu concluído o edifício sede e quartel e é criada a valência de Jardim de Infância na obra social.Os anos que se seguiram até a atualidade foram consolidando a Instituição como um símbolo de união e espírito de entreajuda que tem caracterizado a população de Monte Córdova. O seu âmbito de ação já extravasa há muito os limites da freguesia, estendendo-se ás suas limítrofes em todos os serviços que presta. 

Comentários