Geral
Câmara de Santo Tirso já recolheu mais de 871 toneladas de monstros domésticos

Desde 2013, a Câmara de Santo Tirso já recolheu mais de 871 toneladas de monstros domésticos em todo o Município. Um serviço que, de acordo com o presidente da autarquia, Joaquim Couto, “é uma mais valia para a proteção do ambiente”, uma vez que evita que “os resíduos volumosos se acumulem em locais inadequados”, como a floresta ou a via pública.

O serviço é gratuito e a recolha é realizada porta-a-porta, em data e hora a acordar, de segunda a sábado. Segundo os dados disponíveis, móveis, sofás e colchões estão entre os principais materiais recolhidos e tem havido cada vez mais solicitações nesta área. “A adesão ao serviço tem vindo a aumentar nos últimos anos, também fruto da campanha que a Câmara tem vindo a realizar nesta área, sensibilizando a população para atitudes amigas do ambiente e promoção de um Município mais limpo”, alude Joaquim Couto.

PUB.

A dois meses de terminar o ano, a autarquia já recolheu 180 toneladas de monstros domésticos, quase mais 40 toneladas do total recolhido em 2016, com o número de pedidos também a aumentar: 900 requerimentos em 2016, contra 1105 registados até ao início de outubro deste ano.

Após a recolha, estes resíduos são depositados no Ecocentro de Santo Tirso. Os materiais são desmantelados, separados para serem colocados nos contentores por tipo de material. Os resíduos que não são passíveis de valorização são encaminhados para um aterro sanitário.

No Programa de Recolha de Monstros são também recolhidos resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos, bem como resíduos de construção e demolição, embora em menor número.

São considerados “monstros” os objetos volumosos, provenientes das habitações que pelas suas dimensões, forma ou volume, não podem ser recolhidos nos circuitos normais de recolha como, por exemplo, eletrodomésticos. O serviço de recolha de monstros destina-se a recolhas pontuais, não podendo ser utilizado para a recolha de grandes quantidades de objetos, nomeadamente em casos de esvaziamento de uma habitação.

PUB:

Comentários