Atualidade
Já arrancou a requalificação do Nó de Frádegas

As obras de requalificação do nó de Frádegas, uma das principais entradas na cidade de Santo Tirso, arrancaram esta quarta-feira. Uma empreitada estruturante para o Município, no valor de 1,7 milhões de euros, e que irá melhorar, significativamente, o tráfego nesta zona. “Será uma das grandes obras deste mandato, dando seguimento a uma reivindicação antiga da população”, sublinhou o presidente da Câmara de Santo Tirso, Joaquim Couto.

As máquinas e os trabalhos de terraplanagem já arrancaram no nó de Frádegas, para dar corpo a uma verdadeira revolução naquela que é uma das principais entradas na cidade de Santo Tirso.

“Trata-se de uma obra muito importante para o Município de Santo Tirso e que esteve bloqueada durante vários anos. Foi necessário um processo negocial muito forte entre a Câmara de Santo Tirso e a Infraestruturas de Portugal para conseguirmos desbloquear processos e chegar a um entendimento”, reconheceu Joaquim Couto.

Depois da requalificação da entrada da cidade pela rotunda de Timor Lorosae, realizada pela Câmara, “esta é mais uma obra que vai dignificar outra das principais entradas na cidade e, acima de tudo, ajudar a resolver os problemas de tráfego que, nas horas de ponta, se fazem sentir mais”.

Segundo os estudos de tráfego realizados pela Infraestruturas de Portugal (IP), há cerca de 22 mil viaturas, entre veículos pesados e ligeiros, que atravessam o nó de Frádegas diariamente.

Num investimento de 1,7 milhões de euros, dos quais 600 mil euros são comparticipados pela IP, a reformulação do nó de Frádegas vai contemplar a implantação de uma rotunda de nível com duas vias de entrada e saída de Santo Tirso. Além disso, o projeto prevê, ainda, a reformulação total do troço de via até ao entroncamento com a ER 319, incluindo a substituição da atual ponte de Frádegas. De forma a melhorar a capacidade de interseção, vai ser impedida a viragem à esquerda, para a cidade de Santo Tirso.

“A obra permitirá reformular a entrada em Santo Tirso, melhorando a acessibilidade e requalificando as ligações à cidade, em particular ao Mosteiro de São Bento e ao Museu Internacional de Escultura Contemporânea”, explicou, no local, Joaquim Couto, dando ainda conta de que tudo está feito de forma “articulada com o desenvolvimento do projeto de ampliação do Parque do Ribeiro do Matadouro, permitindo compatibilizar a circulação pedonal e rodoviária em condições de segurança”.

A conclusão desta obra está prevista para o segundo semestre do próximo ano. Os constrangimentos ao trânsito serão inevitáveis, mas não está previsto nenhum corte total do tráfego na EN 105, fazendo-se a circulação de forma condicionada, ao longo do período das obras.

Imagem 3D do projeto