Geral
Joaquim Couto assinalou 3 anos de mandato

conferencia-de-imprensa-3-anos-do-mandato-1Três anos após a tomada de posse, o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso prestou hoje contas, em jeito de balanço, sobre o trabalho realizado. Com 75% do compromisso eleitoral cumprido, Joaquim Couto começou por destacar que Santo Tirso está hoje diferente, desde logo pelo clima de abertura e crescimento que se vivem.

“Estamos hoje, não por acaso, na sede do Museu Internacional de Escultura Contemporânea, naquela que queremos que seja a nossa imagem de marca. Um concelho aberto ao mundo, que aposta no turismo e na cultura. E que, acima de tudo, aposta em novas formas de crescer, de se promover e de captar investimento”.

Neste sentido, o presidente da Câmara aproveitou a ocasião para sublinhar aquela que tem sido a missão do Invest Santo Tirso em pouco mais de um ano de trabalho, “nomeadamente na criação de um ambiente favorável à captação de novos investimentos mas também de apoio às empresas já instaladas no concelho”. A nível de emprego, de registar que desde 2012 a taxa de desemprego no concelho baixou dois dígitos, sendo que no primeiro semestre deste ano é de assinalar a descida da taxa de desemprego em 8%, um desempenho melhor do que a média nacional.

A crescer está ainda a regeneração urbana, um de vários exemplos em que, explicou Couto, “a Câmara foi além do programa eleitoral” e para o qual contribuem “ os incentivos fiscais dados à reabilitação urbana, nomeadamente com a redução de IVA e de IMI”. De salientar que a Câmara conseguiu solucionar cerca de 10 prédios que se encontravam abandonados, nomeadamente o impasse com mais de 33 anos daquele que ficou conhecido como o “prédio da vergonha” na entrada da cidade. A solução não se ficou pelo prédio e a Câmara está atualmente a requalificar a Praça Camilo Castelo Branco, num investimento de 800 mil euros, que vai reformular a entrada da cidade.

Outra das áreas em que a Câmara foi além do compromisso eleitoral é na requalificação do parque escolar. A Câmara tem previstos cerca de três milhões de euros de investimentos para a beneficiação de cinco escolas do concelho: EB1 de Bom Nome, EB1 Conde S. Bento, EB de S. Martinho, EB S. Rosendo e EB de Vila das Aves. Para além deste investimento, há já 1,6 milhões de euros utilizados em obras de reabilitação de escolas e 400 mil euros aplicados na retirada de amianto.

 

 

PROJETOS

 

Uma das novidades foi a apresentação do projeto do canil/gatil municipal, cuja construção está prestes a arrancar. Um dos compromissos assumidos no programa eleitoral, o canil/gatil municipal vai permitir dar uma resposta estruturada e coerente para o problema da sobrepopulação animal, do abandono e do abate. Ficará localizado no lugar da Ermida, em Santa Cristina do Couto, numa área de 9.000 m2. O canil terá 20 boxes normais, duas para animais em quarentena e duas para animais perigosos. Já o gatil será constituído por seis boxes. Para além destes espaços, estão ainda previstos salas de tratamento, salas de armazenamento e preparação de alimentos e áreas administrativas num investimento de 600 mil euros.

O presidente da Câmara Municipal aproveitou ainda para anunciar um novo investimento na requalificação das estradas das freguesias, para além dos 2,6 milhões de euros investidos nos últimos três anos. O novo investimento, no valor de 2,2 milhões de euros, engloba uma extensão total de 22 km que abrange todas as freguesias do concelho. A nível de obras atualmente em curso, o grande destaque vai para ampliação da rede pública de água e esgotos, para a qual a Câmara tem previsto um investimento global de cerca de 25 milhões de euros. “Temos consciência de que este é um dos problemas que mais preocupa a população do concelho, São investimentos muito importantes para a qualidade de vida do Município. É, por isso, um compromisso que assumi com a população, e que estamos a cumprir”, referiu Joaquim Couto. Dos quase 14 milhões de euros de investimento na rede de esgotos, 20% já está concluído, e a outra parte está a ser candidatada a fundos comunitários, com avanço de obras previsto ainda este ano. É expectável que o último investimento esteja concluído no final de 2017, início de 2018.

 

ÁREAS PRIORITÁRIAS

 

Naquelas que foram identificadas como prioridades para o mandato 2013-2017, para além da ampliação da rede de água e esgotos e da aposta no investimento/emprego, o destaque foi para a coesão social.

Neste âmbito, Joaquim Couto reiterou que esta é uma área em que há um trabalho de consolidação das políticas adotadas. “Quando tomámos posse em 2013, o nosso objetivo mais imediato foi de o conseguir minorar os efeitos da crise nas famílias. Foram várias as medidas que tomámos neste sentido, como a criação do Plano de Emergência Social, duplicámos o Subsidio Municipal de Arrendamento, criámos um Plano Municipal de Saúde onde incluímos rastreios oftalmológicos, rastreios de dislexia, comparticipação de vacinas que estão fora do Sistema Nacional de Saúde. São medidas, consistentes, de longo prazo, que continuamos a implementar e por isso mais de 65% do orçamento municipal é destinado à coesão social”, referiu.

 

 

 

 

Em jeito de conclusão, Joaquim Couto diz fazer um balanço positivo dos últimos três anos, lembrando que ainda nem tudo está feito. “ Falta ainda cumprir 25% do compromisso eleitoral mas 16% está já em curso. Não só estamos a cumprir o que prometemos, como estamos a ir mais além. Orgulhamo-nos do trabalho já feito e temos a ambição de fazer mais”, rematou.

 

Comentários