Cultura
Santo Tirso acolhe exposição inédita de Pedro Cabrita Reis

“PEDRO CABRITA REIS. LA GRANDE TABLE, ET AL…” INAUGURA DIA 3 DE JULHO PELAS 19H30, NA SEDE DO MUSEU INTERNACIONAL DE ESCULTURA CONTEMPORÂNEA

Entre 3 de julho e 22 de setembro, Santo Tirso recebe a exposição “Pedro Cabrita Reis. La Grande Table, et al…”. No total são cerca de 30 esculturas, quase todas inéditas.

É um dos artistas portugueses mais conhecidos da atualidade, com trabalho exposto em museus e centros de arte de todo o mundo, quem vai ocupar a sede do Museu Internacional de Escultura (MIEC) nos próximos meses. Pedro Cabrita Reis traz a Santo Tirso cerca de 30 obras, quase todas inéditas e projetadas em função do espaço museológico.

Para o presidente da Câmara Municipal, Joaquim Couto,“Pedro Cabrita Reis. La Grande Table, et al…” vem evidenciar a importância da escultura para Santo Tirso. “É uma exposição muito especial para nós, pela relação que o MIEC tem com o Cabrita Reis e pelo facto de ser uma exposição inédita, pensada de raiz para Santo Tirso. Temos trabalhado no sentido de nos afirmarmos como cidade capital da escultura e estou certo que este é mais um importante passo que damos nesse sentido”, explica.

Com reconhecimento internacional consolidado, o trabalho de Cabrita Reis tornou-se crucial para o entendimento da escultura a partir de meados da década de 1980.

A ligação do escultor a Santo Tirso data de 2001, altura em que a convite de Alberto Carneiro, no âmbito do 6º Simpósio de Escultura, concebeu uma peça para o acervo do MIEC. Esta emblemática escultura refere-se a uma temática que sempre esteve presente ao longo da sua vasta obra – a “casa” -, e o modo como o entendimento dessa questão nos pode levar ao conhecimento mais aprofundado do pensamento e da prática deste artista.

Com efeito, na esmagadora maioria das obras, quase todas inéditas, que Cabrita Reis traz a esta exposição, perpassa um intrincado tecido de ideias e formas que propõem ao espectador uma descoberta ou mesmo uma leitura em permanentes cruzamentos e contaminações de materiais e objetos de imediato reconhecimento por qualquer pessoa. Estes objetos, sendo abandonados pelos seus possuidores, por aparente perda de utilidade imediata para os mesmos, são atenta, obsessiva e criteriosamente recolhidos pelo artista no seu atelier, que ao sabor do tempo e da vontade, lhes dá uma nova vida, plena agora de significados, históricos, filosóficos, políticos e também poéticos.

Pedro Cabrita Reis, concebeu ainda, para o longo corredor do Museu Municipal Abade Pedrosa uma peça de grandes dimensões, La grande table, na qual nos sugere uma muito particular leitura/descoberta/experiência do atelier onde trabalha, desde 2006, em Lisboa, junto ao Tejo.

A exposição inaugura na sede do MIEC, dia 3 de julho, pelas 19h30, e pode ser vista até 22 de setembro. A entrada é gratuita.

 

 

 

Comentários