Atualidade
Comunicado PCP/Santo Tirso Sobre a descaracterização do Largo Coronel Batista Coelho e Praça Conde S. Bento


Algo não vai bem na Câmara Municipal de Santo Tirso
A vila de Santo Tirso
De pequenina tem graça
Tem um chafariz no meio
Dá de beber a quem passa

Num momento em que os tirsenses sentem ameaçadas as características essenciais das suas principais praças e jardins, o PCP não pode deixar de tecer algumas considerações sobre o assunto. Em causa, a Praça Conde de S. Bento e o Largo Coronel Baptista Coelho com os seus lindos e sempre bem cuidados jardins e os fortes indícios de uma possível e provável descaracterização dos espaços em causa, consequência de obras anunciadas pela Câmara Municipal e que ascendem a 2,6 milhões de euros. E num processo que dura há meses, após três sessões em que o chamado ‘Estudo Prévio’ foi apresentado e pelos presentes em uníssono rejeitado, após tomada de posição da sociedade tirsense através de petição online, após aquele ‘Abraço pelas praças e jardins de Santo Tirso’, iniciativa do PCP que juntou cidadãos tirsenses irmanados numa causa que é de todos, após uma tomada de posição pública do PCP, após uma carta aberta assinada pelos representantes dos partidos na oposição, parece-nos que houve, por parte da Câmara Municipal, uma certa ponderação, que, se por um lado nos leva a pensar que poderão vir a ser contemplados favoravelmente os anseios dos tirsenses, por outro, nos obriga em coerência com uma atitude de que não abdicamos, a permanecermos atentos.
Anunciou o Senhor Presidente da Câmara, na sessão da Assembleia Municipal de 30 de Abril, que o projecto estaria terminado em final do 1.º semestre de 2018, para as obras terem início no 2.º semestre. Considera o PCP que o Executivo Municipal deve ter em consideração as preocupações e o sentimento demonstrado pelos tirsenses, não avançando com qualquer projecto que desrespeite as opiniões vivamente demonstradas e, como também defendemos, sem o dar a conhecer na sua versão final.

Fomos, ainda, na referida sessão da Assembleia Municipal, surpreendidos por uma proposta que visa abrir concurso Público Internacional para a gestão do estacionamento em Santo Tirso, que, de acordo com intenção da Câmara Municipal, passará a ser feito por empresa privada, privatização essa que o PCP não pode aceitar, nem deixar de se interrogar – não tem a Câmara Municipal competência para fazer essa gestão?! Visa também a proposta em causa, reduzir o trânsito automóvel no centro da cidade, pelo que todo o estacionamento num centro alargado que abrange além dos parques existentes e já pagos, os dois junto à Câmara Municipal, o parque junto da Clínica Campos Costa, o parque situado na Avenida Sousa Cruz, o largo da feira e demais zonas do centro da cidade que passarão a ter estacionamento pago controlado por privados.
Naturalmente que o PCP votou contra estas propostas. Contudo, conscientes de que a Câmara Municipal tem maioria PS, somos de opinião que apenas uma forte contestação poderá reverter o processo e impedir que o estacionamento dentro da nossa terra seja entregue à exploração privada.
Para uma Câmara que se afirma como uma Autarquia que goza de boa saúde financeira, não nos parece que haja necessidade de castigar os tirsenses com agravamento nos custos de estacionamento. Não nos parece lógico que sem um sistema de transportes e parques periféricos se retirem os poucos lugares que quem reside e/ou trabalha em Santo Tirso dispõe para gratuitamente estacionar. Não nos parece racional o argumento da diminuição de emissões poluentes de óxidos de carbono e azoto. Um veículo de um trabalhador que o estaciona gratuitamente no início da sua jornada de trabalho e o retira no final produzirá mais emissões que uma constante rotatividade de veículos em parcómetros pagos e de estacionamento temporalmente limitado?!
Ou será que os talvez mais de 10 milhões de euros que se prevê advirem com pagamentos nos parques se constituem necessidade para as obras de requalificação anunciadas?!

São estas algumas das preocupações a que, em comunicados anteriores, o PCP deu resposta e uma vez mais, face ao que ‘vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar’.

Santo Tirso, 14 de Maio de 2018
A Comissão Concelhia de Santo Tirso do Partido Comunista Português

 

Comentários