Desporto
À conversa com … Diogo Martins

Aos 34 anos e com 3 anos de experiência como treinador do Campeonato Concelhio de Futebol Amador de Santo Tirso.
Atualmente no comando técnico do Futebol Clube Rebordões.
Como jogador fez formação no Futebol Clube Rebordões, passando pelo Bairro e pelo Santiaguense.
Há 25 anos ligados ao seu clube do coração. Uma pessoa ambiciosa, lutadora e nunca deitando a toalha ao chão e dando sempre a cara à luta e acima de tudo exigente.

Como é o Diogo longe de um Campo de Futebol?

O Diogo Martins é praticamente a mesma pessoa na vida e no futebol. Basicamente é o mesmo Diogo de sempre direto, ambicioso, lutador, amigo e verdadeiro.

E o Diogo treinador?
O Diogo treinador continua muito ambicioso, muito direto, muito verdadeiro. Sou um treinador que represento uma instituição, uma equipa, tenho jogadores, e claro que não consigo agradar toda a gente e assim as vezes, tenho que adotar uma postura, uma defesa em mim para conseguir gerir bem as situações que me provocam.

Podemos dizer que o futebol já faz parte da sua vida. Como começou o seu interesse pela modalidade?
Sim faz parte da minha vida, praticamente desde que nasci. Como qualquer e quase todos os rapazes nascem e começam logo pelos pais, por familiares ou amigos a dar os primeiros chutos na bola, e eu não fugi à regra, foi assim que começou. Comecei com amigos a jogar e com o tempo fui ficando mais interessado pelo futebol.

Está há vários anos ligado ao Campeonato Concelhio, como vê a evolução desta prova? Ou acha que ainda há muito a melhorar?
Sim há vários anos ligado ao Campeonato Concelhio sem dúvida que a prova foi evoluindo. No que diz respeito as infraestruturas os clubes/câmara foram renovando os seus campos. As equipas foram se tornando mais fortes devido de ano após ano aparecerem novos jogadores vindo de outros campeonatos.
Nos últimos anos foi criado uma direção no Campeonato onde eles tentam melhorar a competição. Mas na minha opinião ainda existem alguns fatores a serem melhorados tais como: o calendário dos jogos que nem sempre se adequa, tal como os horários que por vezes não são os melhores. O outro fator é a nomeação dos árbitros, visto que agora passamos a ter árbitros fora do concelho, deviam ter mais cuidado na escolha dos árbitros para determinados jogos e tal como, jogadores e treinadores quando cometem erros/falhas são castigados, os árbitros como o mesmo direito de os cometer deviam sofrer também uma “penalização”.
Por ultimo, a situação das equipas que não tem instalações jogarem em outros campos e não terem qualquer custo, enquanto que, as equipas com campos próprios tem muitos gastos (manutenção, eletricidade, água e gás) devendo a direção junto com a camara valorizar mais estas mesmas equipas.

Como está a ser a experiência no comando técnico do Futebol Clube Rebordões?
Está a ser uma experiência muito boa no sentido que estou cada ano a aprender mais com os jogadores também comigo mesmo, com os adversários sem dúvida, isso faz parte e foi por isso que comecei. Em termos desportivos não estar a ser o que eu pretendia e que toda a gente pretendia e pensava que ia acontecer mas isto não depende só de mim, mas enquanto eu cá estiver vou continuar a trabalhar para o Rebordões ganhar.

Qual o primeiro impacto aquando da sua chegada?
Quando cheguei cá praticamente todos os jogadores me conheciam é claro que nesse aspeto estava a vontade sentia-me em casa, digamos assim. Senti alguma desconfiança dos jogadores pela minha idade, isso é o primeiro ponto por ser novo, mas sou novo em termos de idade mas no futebol concelhio já ando cá há muitos anos e sei perfeitamente o que é preciso par se ganhar no concelhio, mas com o passar dos treinos e das semanas acho que foram se sentindo a vontade. Fomos trabalhando dia após dia e as coisas foram melhorando e a desconfiança desapareceu.

Como define o clube neste momento e qual o futuro que perspetiva?
O clube e toda a gente sabe perfeitamente que é o meu clube do coração. Em termos de infraestruturas se não é o melhor está nos melhores do concelhio e de gente séria que cá trabalha. Acho que é bom clube para os jogadores que saem das camadas jovens e começar nos seniores Por essas boas infraestruturas mas também pelas pessoas, pela qualidade e pela responsabilidade. Acho que é um clube para o futuro que os jogadores não devem ter medo de virem para cá e abraçar este projeto, pois estão no sítio certo.

Como todos os clubes, naturalmente o Futebol Clube Rebordões também tem alguns condicionalismos. Onde acha que podem e devem melhorar?
Os condicionalismos que temos e como todos os clubes do concelhio têm, que é cada vez mais difícil trabalhar, pois as coisas estão cada vez mais caras. O clube tem muitas coisas a pagar e para nós termos esse dinheiro, é claro que a direção tem de trabalhar lado a lado com os patrocinadores para procurar verbas para ajudar o clube, esse é o principal fator, pois nada cai do céu, mas felizmente temos uma direção de pessoas responsáveis que trabalha. E o trabalho desta direção está a olhos vistos quer pelas infraestruturas, mas também por aquilo que não deixam que faltem aos jogadores, desde material, fatos de treino, equipamentos, mochilas, lanches para todos os escalões. Acho que o clube dentro das suas possibilidades tenta e consegue ter as melhores condições para todos os atletas.

Quem são, na tua opinião os principais candidatos à conquista do título concelhio?
Muito sinceramente este foi um ano de muito equilíbrio, me surpreendeu nessa parte. Tem 6 e 7 equipas lá em cima a lutar, mas na minha opinião os 2 principais candidatos continuam a ser o S. Mamede pela sua qualidade e porque também mantém aquele grupo há muitos anos e o ARCA pela a sua experiência. Depois 2 equipas que podem andar a lutar até as últimas jornadas a Mourinha pelo grupo, pela raça e pelas pessoas que lá trabalham querem muito lá chegar, e não nos podemos esquecer que a Mourinha há uns anos atrás já foi campeã no concelhio. Depois o ABCD pela sua qualidade e gente séria que lá tem a trabalhar.

Qual foi o melhor jogador que treinou?
Estou há dois anos e meio como treinador principal, não tenho nenhum problema em dizer foi o Hélder Silva, não só pela qualidade do jogador mas como ser humano, junta a sua personalidade à sua qualidade, dentro do balneário e do campo, não tenho nenhuma dúvida de o dizer não é só o melhor jogador que treinei como um dos melhores jogadores que passou pelo concelhio.

E o melhor treinador por quem foi treinado?
Tenho de falar obrigatoriamente em duas pessoas. Enquanto jovem fui treinado pelo gentil. Do homem que sou hoj, da minha personalidade, da maneira de ser, do meu carater aprendi muito com ele ensinou-me muita coisa. Depois na fase sénior, o Bruno sem dúvida porque cresci muito como jogador e com ele ganhei muitos troféus, onde nesse ano tive o privilégio de jogar com grandes jogadores e de partilhar bons momentos com eles.

Para quem não conhece de perto esta instituição. O que pode dizer sobre ela?
É uma instituição onde se calhar a palavra principal é responsabilidade. Em termos de infraestruturas está olhos vistos. Em termos do que se pode conseguir, nesta casa não se promete nada a ninguém simplesmente as pessoas tem que vir parta cá com o intuito de vir ajudar e trabalhar. Se as pessoas vierem com esse pensamento aqui são bem recebidas e a instituição consegue dar-lhes o melhor. Pois cabe as pessoas trabalharem e fazerem o seu trabalho durante a semana para o fim de semana conseguirem os seus objetivos.

Tendo em conta sua atividade profissional e também a sua vida pessoal, é fácil conciliar com a carreira de treinador?
Não, não é fácil. Mas também não é fácil para mim para os jogadores, para os diretores. Mas quando se quer alguma coisa na vida luta-se e tudo se consegue. Tenho um trabalho longe daqui, mas como eu quero muito o futebol, consigo conciliar o trabalho. Há semanas em que corre melhor e consigo chegar a horas, à outras que chego mais atrasado. Quando se gosta corre-se atrás e eu vou continuar a correr. Em termos familiares obviamente que sou mais uma daquelas pessoas que é complicado deixar a família lá em casa, as vezes sinto mais apoio delas, outras menos mas isso faz parte da vida, mas elas sabem que eu gosto delas e que aqui me sinto bem.

Convido-o agora a deixar uma mensagem a todos aqueles que estejam a ler as suas palavras. Bem como aos adeptos do Futebol Clube Rebordões.
Para quem está a ler o que disse aqui a maior parte das pessoas sabem o meu respeito quer pelo clube em si, quer pelas pessoas que trabalham cá. O conselho que dou, á aquelas pessoas que tem algumas dúvidas em relação ao Rebordões que antes de falarem se tentem informar para não serem induzidas a erro.
Aos adeptos dizer-lhes para continuarem a apoiar o Rebordões, eu sei que os adeptos tal como eu querem resultados, mas as vezes eles não aparecem e é nos maus momentos que precisamos do apoio e das pessoas, tanto eu como os jogadores.
Aos jogadores, aos que cá estão, dizer-lhes para continuar acreditar no clube, nos objetivos do clube e neles próprios. Aos que pensam em vir para cá, não terem problemas em aparecer, desde que venham focados em trabalhar e ganhar, pois esse é o nosso grande objetivo.

PUB.