Atualidade
Mais vigilância e fiscalização no combate aos incêndios

O Dispositivo Municipal da Defesa da Floresta Contra Incêndios em Santo Tirso arranca amanhã no terreno com 23 equipas e cerca de 90 elementos. Este ano, uma das novidades é a entrada em funcionamento da Equipa de Intervenção Permanente (EIP) dos Bombeiros Voluntários Tirsenses, que se junta às duas outras EIP já existentes no concelho. “Com este esforço, pretende-se melhorar o sistema de vigilância e deteção de incêndios, reforçar a fiscalização e garantir uma primeira intervenção rápida e eficaz”, defendeu Joaquim Couto.

A Câmara Municipal de Santo Tirso tem no terreno um investimento de quase 130 mil euros para a beneficiação da rede viária florestal do concelho e limpeza de vegetação. Os números foram revelados esta quarta-feira pelo presidente da autarquia, Joaquim Couto, no momento de apresentação do Dispositivo Municipal da Defesa da Floresta Contra Incêndios que entra em funcionamento amanhã, até ao dia 30 de setembro.

“O nosso trabalho na defesa da floresta já começou há muito tempo. Estamos a requalificar 45 quilómetros de caminhos florestais e a fazer limpezas numa área total de 30 hectares”, apontou, dando ainda conta que, entre março e abril, mais de mil proprietários foram notificados para limpeza dos seus terrenos.

A par das entidades e organismos da área da proteção civil que estarão, a partir de amanhã, no terreno, o dispositivo de Santo Tirso tem integrada uma equipa municipal de Defesa de Floresta contra Incêndios, composta por desempregados que asseguram a vigilância de várias zonas do concelho.

“Estamos a dar trabalho a quem precisa e, por outro lado, a arranjar toda a ajuda possível na área da vigilância e prevenção dos fogos florestais”, salientou Joaquim Couto.

A vigilância florestal arranca com 23 equipas, entre as quais as EIP das três corporações de bombeiros (Santo Tirso, Tirsenses e Vila das Aves). Este ano, apontou o presidente da Câmara Municipal, “temos mais uma EIP no terreno, graças ao diálogo estabelecido com o Governo, permitindo-nos melhorar o sistema de vigilância”.

O dispositivo municipal conta, ainda, com vários outros meios dos bombeiros voluntários, designadamente veículos-tanques e outros veículos de combate a incêndios. Integram ainda o dispositivo as equipas de proteção florestal da GNR, as equipas do comando da GNR de Santo Tirso e de Vila das Aves, apoiadas em viaturas todo o terreno, duas equipas da PSP, incluindo a Brigada de Proteção Ambiental, a Polícia Municipal, e ainda uma equipa de primeira intervenção da Junta de Freguesia de Agrela.

No terreno estará também uma patrulha a cavalo da GNR e três equipas da Associação de Empresas do Setor Papeleiro e de Celuloses (AFOCELCA), que conta com uma Brigada Helitransportada. Como complemento às operações de combate e rescaldo, o dispositivo conta com retroescavadoras e máquinas de rasto existentes no Município.

A concretização deste plano operacional municipal só é possível, de acordo com Joaquim Couto, pela intervenção concertada das várias entidades. Salientando o “importante papel” que cada uma assume, o presidente da Câmara concluiu que o objetivo principal é apenas um: “A defesa da floresta”.