Cultura
11ª Palheta Bendita juntou cerca de um milhar na Fábrica de Santo Thyrso

A Fábrica de Santo Thyrso acolheu a 11ª edição da Palheta Bendita. A iniciativa, promovida pela Câmara Municipal em parceria com os Gaiteiros da Ponte Velha e a Associação Cultural Tirsense, decorreu nos dias 3,4 e 5 de fevereiro, e juntou cerca de mil pessoas em ambiente de música, dança e boa disposição.

A Palheta Bendita voltou à Fábrica de Santo Thyrso no passado fim de semana para promover a reinvenção não só da música tradicional portuguesa e dos seus tocadores, mas também sonoridades de outros cantos do mundo. Promovida pela Câmara Municipal de Santo Tirso, em parceria com os Gaiteiros da Ponte Velha e a Associação Cultural Tirsense, a 11ª edição da iniciativa contou com três dias de atividades.

No primeiro dia de evento, a Fábrica de Santo Thyrso foi palco da apresentação da série “O Povo que Ainda Canta (RTP)”, com José Moças e da projeção de um programa dedicado ao Baixo Minho, parcialmente rodado em Santo Tirso. A noite terminou com muita música, com um concerto da Orquestra de Foles.

No mesmo dia, a Palheta Bendita passou pelas diferentes escolas do concelho, com uma oficina de instrumentos musicais singelos. À noite, a música tradicional também esteve representada no Carpe Diem Bar, pelos DJ’s Gaiteirinho e Chega na Hora.

No sábado, dia 4 de fevereiro, a Fábrica de Santo Thyrso voltou a ser o palco de um vasto leque de atividades. Entre elas, um conjunto de oficinas de instrumentos musicais, de afinação e execução da gaita de fole, cantigas do entrudo, viola braguesa e de construção de canas rachadas. Durante a tarde, os Chulas de Santo Tirso com o Núcleo de Etnografia e Folclore da Universidade do Porto, bem como alguns Grupos Folclóricos do concelho, protagonizaram oficinas de dança, que estiveram abertas ao público em geral.

A noite também contou com um programa recheado, que incluiu a apresentação do Curso Técnico Profissional de Gaita de Fole pela Academia de Chaves, um Concerto do Coro da Escola de Música Tradicional Portuguesa “Cardo Amarelo”, e o Concerto Escola de Gaitas da Ponte Velha. Durante toda a tarde, esteve patente uma feira de instrumentos musicais.

Neste dia, também a Associação Amigos do Sanguinhedo foi lugar de festa, com um Baile improvisado, foliada e jam session, que decorreram até de madrugada.

No domingo, último dia de “Palheta Bendita”, para além da feira de instrumentos musicais patente na Fábrica de Santo Thyrso, houve ainda baile com o Rancho Folclórico de Santa Cristina do Couto, o Rancho Folclórico de S. Mamede de Negrelos, o Grupo Etnográfico de S.Paio de Guimarei e a Chulada da Ponte Velha.