Cultura
Mesmo sem fogo de artifício a Festa de Nossa Srª Valinhas teve o brilho habitual

Não houve fogo de artifício por imperativos legais ( o país está em alerta), a Comissão de Festas surgiu apenas à última da hora, mas mesmo assim a tradição foi cumprida e as celebrações em honra de Nossa Senhora da Misericórdia de Valinhas, em Monte Córdova foram uma realidade. Com um programa que dignificou e muito o grupo de pessoas da zona de Quinchães, Meroucinhos e Espinheiros, que se uniram, e em tão pouco tempo não premitiram que esta celebração terminasse e todas as tradições foram cumpridas.

O certame teve início no último sábado, 7 de setembro logo pela manhã e que se estendeu para a tarde com uma arruada pela Associação Cultural Popular de Bombos e Concertinas Os Cordovenses, que percorreram as ruas de Monte Córdova e também da União de Freguesias de Carreira/Refojos anunciando as festividades.

A noite depois da novena e da eucaristia subiram ao palco, primeiro o Rancho Folclórico São Salvador de Monte Córdova, depois a Banda Arco Íris, que animaram público presente.

Mas o ponto alto destas celebrações estava guardado para o dia de domingo.

Pelas 8h30 a Banda Musical de Paços de Ferreira fez a sua entrada no adro da Igreja Paroquial. Pelas 11 horas foi celebrada a eucaristia solene em Honra de Nossa Senhora da Misericórdia de Valinhas.

A terde iniciou-se com a Banda de Música de Riba D`Ave pelas 14 horas, seguindo-se meia hora depois a Fanfarra do Agrupamento de Escuteiros de Burgães.

Mas o ponto alto das celebrações aconteceu pelas 15 horas com a grandiosa Procissão, que foi seguida por centenas de fiéis, numa clara demonstração de fé.

Uma hora depois as Bandas de música iniciaram as suas atuações, perante muito público.

As festividades terminaram sem fogo de artifício, mas tiveram o brilho habitual e a Comissão está de parabéns. Para 2020, é a vez da zona de Cabanas, realizar as celebrações e já há comissão.

Comentários