Desporto
Aves sai da Taça de cabeça erguida

O Sporting de Braga qualificou-se esta terça-feira para as meias-finais da Taça de Portugal de futebol, ao vencer o Desportivo das Aves, detentor do troféu, por 2-1, num jogo decidido por Wilson Eduardo.

O extremo bracarense inaugurou o marcador, aos 11 minutos, e fez o segundo, aos 41, nos dois casos tirando partido da sua capacidade de desmarcação, após várias trocas de bola no meio-campo ofensivo, reduzindo o Aves por Falcão, aos 70 minutos, na sequência de um pontapé de canto.

 

O Aves até teve mais posse de bola ao longo do encontro, mas o Braga foi sempre mais constante a meio-campo e, sobretudo, eficaz a atacar, marcando nos dois remates enquadrados que realizou na primeira parte.

O primeiro surgiu cedo e na sequência de uma reposição rápida, com João Novais a receber a bola e a isolar, depois, Wilson Eduardo, que, partindo de posição legal, contornou André Ferreira e inaugurou o marcador, repetindo os festejos perto do intervalo, com um remate cruzado da esquerda, após uma demorada troca de passes no meio-campo ofensivo.

O favorito Braga foi superior neste período e a verdade é que o golo madrugador, anotado aos 11 minutos, deu-lhe maior tranquilidade e desassossegou os avenses, que estrearam Mato Milos a titular e viram Braga voltar a competir após mais de dois meses de ausência, a quem voltou a falhar eficácia na hora de atirar à baliza.

Foi assim com Derley, no final da primeira parte, ao finalizar de calcanhar, ao primeiro poste, um cruzamento de Amilton da direita. Quem não falhou foi Wilson Eduardo que, isolado aos 41 minutos por Claudemir, bateu André Ferreira pela segunda vez.

O desacerto avense continuou na segunda, aos 62 minutos, quando Baldé surgiu nas costas de Raúl Silva, mas não conseguiu bater Marafona.

Os minhotos podiam ter resolvido de vez o jogo aos 55 minutos, pelo inevitável Wilson Eduardo, mas, depois disso, baixaram um pouco a intensidade e fizeram os locais acreditar, sobretudo a partir da entrada de Vítor Gomes para o meio-campo e uma maior exploração dos corredores laterais.

O Aves reduziu merecidamente aos 70 minutos, por Falcão, e várias vezes ameaçou o empate, mas Derley, em dois momentos, num deles já nos descontos, não conseguiu bater Marafona neste seu regresso às Aves, e, num dos últimos lances, contra a corrente do jogo, Murilo ficou perto do terceiro, num remate que levou a bola ao ‘ferro’ da baliza do Aves.

Lusa